Foto: Tuerê



Ocorreu um erro neste gadget

NOTAS SOBRE:


"A maior necessidade do mundo é a de homens; homens que não se comprem nem se vendam; homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao polo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus" - Ellen G. White.



quarta-feira, 25 de novembro de 2009

CPI DA SAÚDE

Finalmente, o Poder Legislativo de Marabá vai instaurar CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar a existência de fraudes na Saúde. A vereadora Júlia Rosa (PDT) decidiu ontem assinar o requerimento, completando, assim, as 5 assinaturas necessárias para a instauração. Agora, a Mesa Diretora da Câmara terá o prazo de 10 dias para indicar os nomes que irão compor a Comissão. Além de Júlia Rosa, assinaram o requerimento os vereadores Edivaldo Santos, Vanda Américo Gomes, Antônia Albuquerque, a Toinha, e Gerson do Rosário Varela, o Gerson do Badeco.

CASO NAGILSON 1

Tribunal de Justiça do Estado (TJE) deferiu esta manhã (25/11) liminar que pedia relaxamento da prisão do médico Nagilson Amoury, vice-prefeito de Marabá. Ele deve voltar pra casa ainda hoje. O alvará de soltura foi despachado pelo juiz Ronaldo Marques Valle. Nagilson estava preso desde o último dia 19, juntamente com mais outros quatro acusados de envolvimento em esquema de fraude na SMS, pasta da qual ele, Nagilson, era titular até segunda-feira (23/11), data em que foi exonerado.

CASO NAGILSON 2

Ontem (24/11), servidores da Saúde e familiares do vice-prefeito fizeram concentração em frente ao prédio da SMS (Secretaria Municipal de Saúde), onde ostentaram faixas de solidariedade ao médico preso. Chegaram a anunciar que ficariam em vigília até o relaxamento de sua prisão, mas encerraram o ato por volta da 9 da noite.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

POLÊMICA

A informação de que o prefeito Maurino Magalhães pretende transferir os camelôs da Avenida Getúlio Vargas, na Marabá Pioneira, para a Praça Duque de Caxias, naquele mesmo núcleo, causou o maior alvoroço entre os vereadores na sessão da última terça-feira (03/11).
A notícia chegou oficialmente ao conhecimento dos parlamentares durante as explicações do secretário de Planejamento Glênio Benvindo de Oliveira, sobre as 21 emendas que existem com liberação de recursos pendentes para o município.
No quadro demonstrativo, a emenda de número 11, de autoria do deputado Asdrúbal Bentes (PMDB), estava destinada, inicialmente, à criação de um espaço coberto para os feirantes da Folha 28, mas teve sua destinação alterada, passando a beneficiar os camelôs da Getúlio Vargas, com a criação de espaço para eles na Praça Duque de Caxias.
A simples ideia de transformar aquele patrimônio histórico da cidade em local de vendilhões deixou alvoroçada a Casa de Leis. Unanimemente, todos os vereadores rechaçaram a proposta.
“Eu não concordo em hipótese alguma que isso venha a ocorrer”, protestou o vereador Nagib Mutran, acompanhado em uníssono pelos demais vereadores que disseram: “Ninguém aceita”.
“Eu não concordo e, inclusive estou colhendo assinaturas para que a Praça Duque de Caxias volte à sua arquitetura original. Que saia até aquele mondrongo que tem ali na frente”, acrescentou Nagib. O mondrogo a que ele se refere é a estrutura no centro da praça, feita na gestão do prefeito Geraldo Veloso para acomodar os bares.
Após as manifestações de insatisfação de cada um dos vereadores, o titular da Seplan tentou amenizar os ânimos, informando que aquele ainda era “um projeto em discussão”.
Nesta quarta-feira (04/11), a líder do governo na Câmara, vereadora Irismar Sampaio, fez questão de colocar um balde de água fria sobre a discussão. Disse que houve um equívoco da parte do secretário Glênio Benvindo, uma vez que o camelódromo será construído na Avenida Getúlio Vargas e não na praça, como havia sido informado.

MÃO À PALMATÓRIA

Outra questão que suscitou sérias indagações durante as explicações na Câmara do secretário de Planejamento Glênio Benvindo de Oliveira foi a apresentação na prestação de contas de uma obra de pavimentação que supostamente estaria “em execução” na Folha 31. Os vereadores Edivaldo Santos (PPS) e Ismaelka Queiroz Tavares (PTB) quiseram saber onde de fato encontra-se essa obra da qual nenhum morador da Folha 31 dava notícia.
O secretário tentou remendar, mas não convenceu muito os parlamentares. Acabou admitindo que a obra não estava sendo executada, com máquinas nas ruas, mas tentou explicar que a expressão “em execução” que aparece no relatório de prestação de contas se refere aos procedimentos preliminares, como levantamentos, abertura de processo licitatório e outras medidas.
A vereadora Júlia Rosa, presidente da Câmara, foi uma das primeiras a protestar. “Eu entendo que obra em execução é execução da obra”, ela, pedindo que a Seplan encaminhe ao Legislativo um relatório mais detalhado, com a real situação das obras e, inclusive, o endereço de cada uma delas.

NA BERLINDA

A prestação de contas do prefeito Maurino Magalhães, feita em 20 de outubro, ainda repercute na Câmara Municipal, duas semanas depois. Alguns vereadores ainda não se deram por satisfeitos com algumas das informações apresentadas pelo Poder Executivo. A sessão da última terça-feira (03/11) foi reservada à Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara, que convocou o secretário de Planejamento Glênio Benvindo de Oliveira para alguns esclarecimentos adicionais, especificamente com relação à situação das emendas parlamentares com recurso pendente, pela falta de projeto da administração municipal.
A sessão teve início às 11h00 e o secretário ouviu dos vereadores várias indagações.
Alguns questionamentos surgiram porque, durante a prestação de contas, o Executivo apresentou um quadro demonstrativo de 19 emendas parlamentares, das quais, apenas uma havia sido aprovada. A maioria ainda se encontrava pendente, por motivos diversos, e, para nove delas, pelo menos, a administração sequer havia elaborado projeto, havendo risco de perda do recurso alocado, algo em torno de 2,1 milhões de reais.
Na sessão de terça, Glênio voltou a apresentar o quadro só que, desta vez, com duas emendas a mais, ou seja, 21 e não 19 como fora mostrado anteriormente.
Embora o quadro ainda apresentasse nove emendas com a observação “aguardando projeto”, o secretário afirmou que 90% do total já estavam cadastradas no Sincov – o sistema de armazenamento dos dados necessários para a análise que precede a liberação dos recursos. A vereadora Irismar Nascimento Araújo Sampaio (PR) indagou ao titular da Seplan (Secretaria Municipal de Planejamento) como poderiam estar cadastradas no Sincov emendas cujos projetos nem ainda haviam sido elaborados. “Até onde eu entendo, só se cadastra lá quando já tem um projeto”, ressaltou a parlamentar que é líder do governo na Câmara. A isso, o secretário explicou que o cadastramento foi feito com o que ele chamou de “proposta técnica”, uma espécie de relatório com as informações técnicas do projeto.
O vereador Alécio Stringari, o Alécio da Palmiteira, revelou preocupação com a possibilidade da administração municipal não cumprir os prazos e, por conta disso, perder os recursos. Ele quis saber do secretário de Planejamento sobre até que ponto o município estaria livre desse risco. Glênio respondeu dizendo que estava consciente dessa situação e que ele e sua equipe estão envidando todo esforço possível para que não haja prejuízos em razão da prefeitura ter deixado de cumprir sua parte. “Pode ter certeza, vereador, que nós temos cumprido com nosso dever com relação aos prazos, não permitindo jamais que percamos algum recurso. Pode acontecer algum caso isolado, mas não por iniciativa nossa”, declarou.

GELOU

A instauração na Câmara Municipal de Marabá de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar os casos de fraudes na saúde sofreu um revés inesperado na manhã desta quarta-feira (4). Depois de protocolar na terça o requerimento para ser votado na sessão de ontem, o vereador Antônio Hilário Ribeiro, o Antônio da Ótica, voltou atrás e, inexplicavelmente, pediu a retirada do nome dele do documento. Com isso, o requerimento ficou prejudicado, já que são necessárias pelo menos cinco assinaturas para que a peça tenha força para ir a votação em plenário.
A CPI foi uma iniciativa de Vanda Américo, que contou com o apoio dos vereadores Edivaldo Santos, Antônia Carvalho de Araújo Albuquerque, a Toinha, e Gerson do Rosário Varela, o Gerson do Badeco.
“A gente está perdendo a oportunidade de estar fiscalizando, cumprindo com a nossa função, e por isso eu lamento profundamente”, declarou a vereadora Vanda Américo, destacando que, mesmo assim, vai propor à presidência da Comissão de Saúde da Câmara, da qual ela também faz parte, para que viabilize a realização de uma audiência pública com a participação do prefeito municipal, seu vice e secretário de Saúde, Nagilson Amoury, e diretores dos diversos departamentos do setor, bem como dos responsáveis pela comissão de licitação. Vanda fez questão de ressaltar que a CPI era para investigar a gestão da saúde desde 2005, para que sua instauração não fosse interpretada como uma perseguição política à atual administração.
O vereador Antônio da Ótica não pode ser ouvido para explicar os motivos de sua desistência, uma vez que ele deixou a sessão antes do seu encerramento. Consta, entretanto, que ele teria sido convencido por vereadores da base governista que estariam temerosos de que a CPI possa trazer complicações para a administração do prefeito Maurino Magalhães.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

E-MAIL DO KID

Recebi do Kid Reis, com pedido de publicação, e-mail sobre importante evento que acontece esta semana em Belém para debater a desnutrição infantil. Publicamos abaixo a matéria na íntegra.

ESPECIALISTAS DEBATEM DESNUTRIÇÃO

A Sociedade Paraense de Pediatria (SPP) e a Associação dos Fonoaudiólogos do Estado do Pará (Afepa) abrem nesta quinta-feira o I Congresso Paraense Multidisciplinar de Crescimento e Desenvolvimento Infantil na Amazônia (Fonoped), que terá a participação de profissionais dos Estados Unidos, México, Argentina e Brasil. O evento acontece de 5 a 7 de novembro de 2009, na sede do Computer Hall, localizada Rua Antônio Barreto, 1176, e tem como objetivo é integrar profissionais e especialistas de vários países para aprofundar a construção e o intercâmbio de conhecimentos visando aprimorar as políticas públicas para fortalecer o crescimento e o desenvolvimento infantil brasileiro e amazônico.
Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2004 apontam mais de 3,5 milhões de paraenses vivendo em situação de insegurança alimentar no Pará, enquanto as informações divulgadas, em abril passado, pelo Ministério da Saúde, dão conta que no Estado, entre 2000 e 2007, registraram-se 24.511 óbitos infantis em crianças com menos de um ano de idade. No ranking estadual, o maior número de mortes de crianças ocorreu nos municípios de Belém (4.478), Ananindeua (1.490), Marabá (1.009), Santarém (959) e Parauapebas (546).
Os conteúdos do congresso são direcionados para pediatras, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicólogos, pedagogos, nutricionistas, assistentes sociais, pais de crianças com deficiência e outros profissionais e universitários que atuam com crianças e adolescentes. A conferência de abertura será realizada pelo representante do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Fábio Morais, que abordará a Situação do Crescimento e Desenvolvimento da Criança na Região Amazônica.
Os especialistas debaterão ainda os desafiso da audição, autismo, crescimento e desenvolvimento infantil, transtorno de aprendizagem, diagnóstico, hiperatividade e déficit de atenção, implante coclear, implicações escolares, políticas públicas, psicomotricidade, prevenção, reabilitação e transtorno do comportamento. A programação científica do Fonoped-2009 é composta 23 conferências nacionais e internacionais, 18 mesas-redondas e sete cursos.
Para Larissa Campos, pedagoga e fonoaudióloga, uma das organizadoras do evento, é fundamental fortalecer o olhar profissional para a atenção primária à saúde na Amazônia. “Por meio de novos conhecimentos e a ampliação do acesso às políticas públicas poderemos reduzir os índices de mortalidade infantil e proporcionar à criança a oportunidade de um desenvolvimento infantil saudável desde a gestação, o nascimento e a sua entrada na fase da adolescência. Estas fases são determinantes para a construção dos pilares estruturantes da formação de um cidadão participativo, produtivo e integrado socialmente”, destaca.
O evento tem o apoio do Governo do Estado do Pará, da Universidade da Amazônia (Unama), do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), da Organização Pan-Americana de Saúde e da Nestlé Nutrição, além de instâncias governamentais da União, Estado e Município e entidades não governamentais. As inscrições podem ser feitas diretamente no site da Fonoped - www.fonoped.com.br.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

A CASA CAIU

Esquema de corrupção dentro da Secretaria Municipal de Saúde, em Marabá, acaba de ser desbaratado. Na manhã desta quarta-feira (21/10), 25 homens da Polícia Federal bateram na sede da SMS para cumprir mandado de busca e apreensão expedido pelo juiz titular da 5ª Vara Penal, Cristiano Magalhães Gomes.

MANDADOS DE PRISÃO

MANA Secretaria continua interditada pelos agentes da PF, comandados pelo delegado Cunha. Existem também mandados de prisão contra servidores que estão sendo cumpridos em diversos pontos da cidade.

domingo, 18 de outubro de 2009

CONTESTAÇÃO

Maurino e Nagilson apresentaram contestação, na última terça-feira (13/10), à Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE), em que são acusados de crime de caixa dois nas eleições do ano passado. A peça tem 28 páginas e leva a chancela de 4 advogados de renome – dois de Brasília, um de São Paulo e outro do Rio Grande do Norte.

ESTRIBADO

Para defendê-lo na AIJE, Maurino contratou nada menos que José Augusto Delgado, ministro aposentado do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

GRANDE AUTARQUIA

Delgado tem currículo invejável de atuações na área jurídica, inclusive com passagem pelo Tribunal Superior Eleitoral. Imagine o que não deve custar os honorários de uma figura dessa. E o prefeito ainda fica balelando por aí que sempre esteve tranquilo com relação à ação. Avalie se não estivesse.

A TESE DA DEFESA

Para defender seus clientes, Delgado e seus colegas causídicos construíram o argumento de que as denúncias são “fundadas em inverdades e em documentos fabricados”. Os advogados questionam o fato de não constar das provas cópias das ordens de serviço ou outros documentos que comprovem a encomenda dos serviços ou a solicitação dos produtos. Alegam com isso que “notas fiscais sem atesto, sem recibo bilateral, ou ainda, sem ordem ou pedido de solicitação de serviço, não têm o condão de exigir sua liquidez, e, portanto, não têm valor probatório algum”.

DECADÊNCIA DA AÇÃO

No entendimento da defesa, a ação é decadente e “tardia” porque só “foi apresentada no teratológico [monstruoso] prazo” de nove meses após a diplomação de Maurino e Nagilson.

GASTOS DENTRO DO LIMITE

Os advogados destacam ainda que o limite de gastos informados pelo Comitê Financeiro à Justiça Eleitoral, ou seja, o valor máximo que a coligação de Maurino e Nagilson poderiam gastar na campanha, era de R$ 2.000.000,00. Assim, mesmo somando o que foi declarado (R$ 810.805,00) com o que foi supostamente sonegado (R$ 689.500,00) não extrapolaria o limite de dois milhões de reais que à coligação era permitido gastar.

SOBRE O CHEQUE DE R$ 6 MIL

Com relação ao cheque, no valor de R$ 6.000,00, emitido por Maurino Magalhães em favor da empresa G. L. Outdoor & Placas, de propriedade de Francinete Silva de Sousa, a contestação alega que ele foi cancelado no banco, porque a mercadoria (adesivos, banners, bandeiras e minidoors), nunca foi entregue à coligação.

NÁGILA AMOURY: BODE EXPIATÓRIO

Mesmo para uma das acusações mais contundentes, aquela que envolve a advogada Nágila Amoury, irmã do vice-prefeito Nagilson Amoury, os advogados de defesa também apresentam artificiosa versão, de modo a eximir os acusados de qualquer responsabilidade. Neste particular, eles alegam que Nágila não teve o aval da coligação para fazer o que fez, isto é, contratar advogados para atuarem no dia da eleição. Argumentam que nunca foi dada a ela qualquer procuração para fazer contratações, o que foi feito “por sua única e exclusiva responsabilidade”. E encerram tal assunto com a seguinte assertiva: “a declaração, bem como os recibos dos advogados, denotam a responsabilidade exclusiva da Sra. Nágila, não tendo a coligação, o requerido [Maurino e Nagilson], ou qualquer representante do comitê financeiro lhe conferido chancela, ou ao menos tido o seu conhecimento”.

RITO PROCESSUAL

A contestação foi juntada aos autos do processo, que foi encaminhado à Promotoria de Justiça Eleitoral, para apreciação. Após o parecer do Ministério Público, a peça volta novamente para as mãos do juiz Cristiano Magalhães. Dependendo da leitura que fizer do caso, o magistrado pode pedir o arquivamento do processo, por improvimento, ou dar prosseguimento à ação.

BUSCAS E APREENSÕES

Neste ponto, tem início a chamada fase de instrução processual, em que Maurino e Nagilson deixam de ser meramente “investigados” e passam a ser “denunciados”. Novamente será dado a eles o prazo de 5 dias para manifestação, após o que poderão ser feitas pela Justiça as diligências que se fizerem necessárias, inclusive buscas e apreensões, se for o caso, para a elucidação dos fatos. Nesta fase, o juiz poderá também requerer a oitiva dos envolvidos e suas testemunhas.

ALEGAÇÕES FINAIS

Ainda será aberto prazo para as chamadas “alegações finais”, em que defesa e acusação terão prazo comum de dois dias para se manifestarem. Só então, ocorrerá a conclusão do processo em primeira instância, com o pronunciamento da sentença.

O PESO DO MP

De acordo com o professor titular de Direito Administrativo Constitucional da Universidade Federal do Pará, Edieter Luiz Cecconello, o parecer do Ministério Público tem um peso muito grande sobre a decisão do juiz. Via de regra, segundo ele, os magistrados seguem a indicação do MP quando do pronunciamento da sentença. Mas, uma vez ou outra, pode ocorrer o contrário, embora este não seja um procedimento comum.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

CAIXA DOIS

Expira amanhã, quarta-feira (14/10), o prazo para que o prefeito de Marabá Maurino Magalhães protocole na Justiça Eleitoral sua defesa na Ação de Investigação em que está sendo acusado da prática de caixa dois nas eleições do ano passado. Tão logo a peça seja incluída nos autos, o processo será encaminhado ao Ministério Público Estadual para que a Promotoria de Justiça Eleitoral, que tem como titular o promotor José Luiz Brito Furtado, emita parecer sobre as denúncias. Se o parecer for pela procedência da ação, o prefeito e seu vice Nagilson Amoury serão denunciados pelo MPE e o processo entra na fase de instrução, o que significa dizer que o juiz eleitoral Cristiano Magalhães Gomes, que está à frente do caso, vai abrir prazo para nova manifestação dos acusados, antes de proferir a sentença.

QUINDANGUES

Queda de braço entre a Procuradoria Geral do Estado (Progem) e promotores de justiça do Ministério Público Estadual (MPE), em Marabá, deve render panos pras mangas. No centro do embate o propalado decreto de desapropriação da Gleba Quindangues, área com mais de dois mil hectares, destinada à implantação da fase 3 do Distrito Industrial.

DISPARATE

Como é do conhecimento de todos, houve escancarado disparate no valor da indenização oferecido pelo governo do Estado aos diversos propietários. O caso foi parar na imprensa e causou estardalhaço porque ficou clara a intenção dos avaliadores de beneficiar um grupo de empresários locais.

MÃO À PALMATÓRIA

O governo do Estado deu a mão à palmatória e a Progem decidiu refazer as avaliações. Acontece que agora o Ministério Público decidiu tomar partido da situação para destrinchar a maçaroca. Requereu à Progem cópias de todo o processo para saber por que cargas d'água as avaliações foram feitas com base em dois pesos e duas medidas.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

GELOU

A decisão do MPE gelou a Progem e o procurador geral do Estado, Ibraim José das Mercês Rocha, lançou mão do argumento de que a "Procuradoria Geral não está obrigada a fornecer cópia dos documentos internos do processo". Ele bateu o pé na decisão de que não entrega os documentos requeridos pelo MPE, firmando-se na premissa de que a Progem é um escritório de advocacia e, por esta razão, goza do preceito de inviolabilidade.

BRIGA DE GALOS

Os promotores de Marabá, por sua vez, saíram em rebate e chamaram a imprensa na última sexta-feira (09/10) para anunciar que vão até a última instância para colocar esta situação a limpo. Do lado de fora desse embate, cativos observadores aguardam o desfecho dessa briga de galos.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

NERVO À FLOR DA PELE

Numa entrevista esta semana, Maurino ficou irritado com a pergunta do jornalista sobre se era verdade que a prefeitura está com dívidas de R$ 10 milhões na praça, junto a fornecedores. O prefeito desafiou alguém a provar que isto seja verdade.

PROCRASTINAÇÃO

Fazendo uma análise sobre a Ação de Investigação Judicial Eleitoral que Maurino está respondendo na justiça, sob a acusação de prática de caixa dois, experiente jurista acredita que ele irá utilizar o expediente da protelação para conseguir adiar ao máximo o curso do rito processual. O jurista lembra que existem inúmeras manobras possíveis para conseguir isso e o prefeito e seu vice, Nagilson, certamente lançarão mão do que estiver ao seu alcance para procrastinar.

CPI DA PEDOFILIA

Depois de seguidos e inexplicáveis adiamentos, a propalada audiência com integrantes da CPI da Pedofilia em Marabá parece que, finalmente, vai acontecer. A reunião está prevista para acontecer nesta sexta-feira (09/10), no plenário da Câmara Municipal.

PREFEITO REBERA PROMOTOR

A ida súbita do prefeito Maurino Magalhães ao prédio do Ministério Público Estadual, em Marabá, na manhã desta terça-feira (6), deixou muita gente com a pulga atrás da orelha. Por cerca de uma hora, ele esteve reunido a portas fechadas com o promotor José Luís Brito Furtado e foi bombardeado, à saída, por jornalistas que queriam saber quais os verdadeiros motivos da inopinada visita.
O prefeito, obviamente, negou que a presença dele no Ministério Público tivesse alguma coisa que ver com a Ação de Investigação Judicial Eleitoral que ele e o seu vice, Nagilson Amoury, vão ter que responder, pela acusação de “caixa dois” nas eleições do ano passado.
A indagação dos jornalistas se deu em razão de que o processo passará nos próximos dias pelas mãos do promotor José Luís Furtado, que responde pela Promotoria de Justiça Eleitoral. Furtado analisará as provas e emitirá parecer, antes da sentença do juiz eleitoral Cristiano Magalhães.
Quem fez as vezes de porta voz de Maurino em face das investidas da Imprensa foi o deputado federal Wandenkolk Pasteur Gonçalves (PSDB-PA), de passagem por Marabá desde o último final de semana. Foi o parlamentar quem levou Maurino à sala da 1ª Promotoria de Justiça Cível. Segundo Wandenkolk, o prefeito foi ao MPE a seu convite. Sobre o que teria motivado a visita, o deputado se explicou dizendo que foram “conversar sobre Marabá”.
Instado a confirmar se a visita não tinha caráter lisonjeiro por conta do processo de cassação contra Maurino, Wandenkolk rebateu afirmando que “em nenhum momento” foi tocado nesse assunto na reunião. “O que viemos fazer aqui foi pedir ao Ministério Público que nos ajude na condução do processo administrativo”, asseverou.
Maurino, por sua vez, voltou a reafirmar que está tranquilo em relação ao processo e insistiu na tese de que tudo não passa de perseguição política. Indagado sobre por que demorou 10 dias para receber a notificação da Justiça Eleitoral ele desabafou: “Eu estava em Marabá. Pergunte ao oficial de justiça por que não me notificou”.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

VISITA CURIOSA

O prefeito de Marabá, Maurino Magalhães de Lima, ficou durante mais ou menos uma hora, na manhã de hoje (06/09), trancafiado em uma sala do Ministério Público Estadual com o promotor José Luís de Brito Furtado.

MUITA COINCIDÊNCIA

Curiosamente, a visita ocorre às vésperas do MPE ter que emitir parecer na Ação de Investigação Eleitoral em que o prefeito é acusado de "caixa dois" nas eleições do ano passado.

ESTRANHO

Mais estranho ainda é o fato de que Maurino e Furtado andam se estranhando desde o início do ano, porque o promotor não tem refrescado com a administração municipal e Magalhães já chegou a acusá-lo de estar fazendo perseguição.

CUPIDO

O encontro entre prefeito e promotor foi engendrado pelo deputado federal Wandenkolk Gonçalves (PSDB-PA), que jura de pés juntos que a reunião não teve nada que ver com assédio a Furtado por conta do processo de cassação.

DEFESA

Maurino tem até dia 14 de outubro, portanto, até quarta-feira da semana que vem para apresentar sua defesa à ação em que está sendo acusado de crime eleitoral nas eleições do ano passado.

JUIZ MAGALHÃES

A defesa será apresentada ao juiz eleitoral Cristiano Magalhães que, apesar do sobrenome igual, não tem, até onde se sabe, parentesco com Maurino.

PARECER DO MPE

De posse do material, o juiz determinará inclusão da peça nos autos e remeterá o processo à Promotoria de Justiça Eleitoral, que tem como representante o promotor José Luís Brito Furtado. Este terá um prazo para analisar o processo e emitir parecer, ocasião em que poderá requerer a oitiva dos envolvidos no caso.

OITIVAS

De posse do parecer do Ministério Público o juiz deverá intimar os envolvidos e ouvi-los antes de exarar a sentença desfavorável ou não aos acusados – no caso, Maurino e seu vice, Nagilson Amoury.

POSSE

Se a sentença for desfavorável, o juiz deverá incluir no mesmo despacho a determinação para que a Câmara de Vereadores dê posse ao segundo colocado nas eleições, no caso, o deputado estadual João Salame (PPS).

TRÂMITE

Dependendo do andar da carruagem, entre a apresentação da defesa e a sentença do juiz Cristiano Magalhães não transcorrerá mais que 30 dias, podendo o caso ter um desfecho ainda no mês de novembro. É possível, porém, que, por conta das oitivas o processo se arraste por um tempo bem maior.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

CAIXA 2

Nos bastidores da política, em Marabá, não se fala em outra coisa. Todos querem saber qual realmente será o desfecho do processo em que o prefeito Maurino e seu vice, Nagilson, estão com a cabeça a prêmio, por conta da utilização de caixa dois nas eleições passadas.

NOTIFICAÇÃO

O oficial de justiça quase seca as canelas na tentativa de notificar os acusados. Maurino tratou de viajar e Nagilson virou sombra de alma. Como a presidente da Câmara, Júlia Rosa, também viajara, o vereador Antônio da Ótica, à frente do Legislativo, tratou de dar um jeito na situação. À sua maneira. Ora, se Maurino não está na cidade e seu vice é pessoa de paradeiro incerto e não sabido, alguém tem que tomar conta desta joça.

DESACOROÇOADO

Foi o que ele fez, ou melhor, tentou fazer na tarde desta quarta-feira (30/09). Foi ao gabinete disposto a assumir o comando do município. Não lhe deram trela e voltou desacoroçoado para o lugar de onde nunca deveria ter saído.

QUEM NÃO DEVE, NÃO TEME

Sobre a denúncia de caixa dois, a postura de Maurino e Nagilson, de fugir do oficial de justiça como o diabo foge da cruz, denuncia contra eles. Afinal, reza o ditado que quem não deve não teme.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

LEMBRAR NÃO FAZ MAL

Hoje, 29 de setembro, faz um ano que aconteceu o famoso quiprocuó entre o juiz de Direito César Lins e o polêmico promotor de Justiça Antônio Maurício, durante sessão do tribunal do júri, em Marabá. O assunto, à época, ganhou as páginas dos jornais e ocupou espaço nos noticiários televisivos da região, depois caiu no esquecimento. Consta que César Lins deixou a vara criminal e agora atua na cível, em Marabá. Antônio Maurício, por seu turno, cura suas histerias lá pras bandas de Belém.

POLÍTICOS FICHA SUJA

Representantes da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) entregaram nesta terça-feira (29/09), ao presidente da Câmara, Michel Temer, um projeto de lei que, se aprovado, vai complicar a vida dos políticos com alguma condenação, mesmo em primeira instância. Hoje, a legislação eleitoral prevê que apenas políticos com condenação transitada em julgado, os chamados "ficha suja", podem ter a candidatura barrada.

IMPROVÁVEL

É pouco provável que a matéria seja aprovada. Por uma série de motivos. Um deles é que vai de encontro aos interesses de muitos dos próprios políticos. Honestamente, se a presunção da inocência deve ser mantida até a última instância, seria incoerente a Justiça Eleitoral punir alguém por "ficha suja", se o seu caso não transitou em julgado.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

DESATANDO A BOCA DO SACO

Regivaldo Carvalho, titular da Superintendência de Desenvolvimento Urbano (SDU), e Lucídio Colineti, secretário municipal de Obras, deverão ser convocados a dar explicações na Câmara Municipal de Marabá sobre o fechamento de duas ruas no bairro Amapá, com o envolvimento de servidor da Sevop (Secretaria Municipal de Viação e Obras Públicas).

ALGO DE PODRE NO REINO DA DINAMARCA

A vereadora Júlia Rosa, presidente da Câmara, já determinou a formação de comissão especial para apurar o caso, que exala odores putrefáticos e pode custar a cabeça de gente grande dentro da administração municipal.

PULGA ATRÁS DA ORELHA

A fotógrafa Regina Suriani resolveu botar a boca no trombone com relação ao disparate nas avaliações dos imóveis desapropriados para a implantação da fase 3 do Distrito Industrial de Marabá, na área conhecida como Gleba Quindangues.

TIRANDO A LIMPO

Na edição desta quinta-feira (10/09) do jornal Opinião, em publicação de uma página, Regina bota o pé na parede e exige que se explique, por A mais B, por que suas terras, com benfeitorias e tudo mais, foram avaliadas em R$ 2,16 o metro quadrado, ao passo que às do seu vizinho deram o valor de R$ 35,63 pela mesma medida.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

VAIAS, QUE VAIAS?

A reação de algumas pessoas aos acenos do prefeito Maurino Magalhães, no desfile deste 7 de Setembro, está dando o que falar. O prefeito fez um breve passeio em carro aberto, ao lado do general do Exército Mário Lúcio Araújo Alves de Araújo, na abertura da apresentação militar e, enquanto acenava para o público, foi correspondido com gritos.

SER OU NÃO SER, EIS A QUESTÃO

Para os opositores de plantão, aquilo foi vaia da grossa. Para os situacionistas, entretanto, o barulho foi de ovação ao gestor municipal. Está posto o dilema de Hamlet. Afinal, foi ou não foi? A oposição jura que foi.

SOBROU PARA O GENERAL

Os mais chegados a Maurino protestam, com certo cinismo. Se houve vaias, foram dirigidas ao general Mário Lúcio. Ao Maurino não foi, não foi, não foi. Só chamando o povo pra saber com quem está a verdade.

CAIU NA PASSARELA

No auge das apresentações do desfile deste ano, uma moça de mais ou menos 18 anos de idade, que acompanhava um fotógrafo na festa, de repente pisou em falso e se destabacou no meio do asfalto, bem no centro das atenções. Coitada. Ficou vermelha que só um pimentão maduro. Mas levantou-se tão rápido que muitos nem viram o tombo.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

DE MAU COM MAURINO

Fonte merecedora da maior credibilidade garante: Nagilson e Maurino estão com a relação profundamente arranhada. O próprio vice-prefeito teria passado a informação. Seria essa desavença, segundo a fonte, o motivo da não participação da Secretaria Municipal de Saúde no desfile deste ano

DE VOLTA

Depois de exatos 30 dias sem botar a cara aqui no blog, estamos de volta novamente. O motivo da ausência é o mesmo de sempre: tempo de menos para demandas de mais.

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

DE OLHO NO LEGISLATIVO

O ex-vereador Leodato Marques anda farejando a possibilidade de voltar a ocupar uma das cadeiras do Legislativo novamente, de preferência, ainda este ano. Ele é suplente de Miguel Gomes Filho, o Miguelito, e foi uma das três pessoas a ocuparem a galeria de honra da Câmara, na sessão da última terça-feira (04/08).

PEC 336

Leodato acompanha com expectativa o andamento da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 336, que prevê o aumento do número de vereadores no país, dos atuais 51.748 para 59.791. Se a PEC for aprovada, ele será contemplado com uma das vagas criadas na Câmara de Marabá.

CASO TONY ROSA

Na primeira sessão pós-recesso parlamentar, realizada na última terça-feira (04/08), pelo menos quatro vereadores fizeram referência ao ex-secretário de Meio Ambiente, Antônio Rosa de Macedo Rodrigues, o Tony Rosa. Todos falaram em seu favor, em face da ação que o Ministério Público Estadual está movendo contra ele, pela acusação de crime de improbidade.

DEFESA

O mais enfático, e o primeiro a tocar no assunto, foi o vereador Miguelito, que não economizou adjetivos para enaltecer o caráter de Tony Rosa. Os vereadores Gerson do Badeco e Vanda Américo se expressaram em tom de solidariedade à vereadora Júlia Rosa, mãe do ex-secretário.

Serena em suas palavras, a vereadora Júlia disse ter certeza de que o filho irá esclarecer tudo no momento oportuno, e finalizou suas palavras afirmando que acredita na justiça dos homens e, principalmente, na de Deus.

BRIGA FEIA

Pouca gente ficou sabendo, mas o prefeito Maurino Magalhães se envolveu em tempestuoso bate-boca com o presidente do Sindimoto (Sindicato dos Mototaxistas de Marabá), Francisco de Assis Barros do Nascimento, na terça-feira da semana passada (28/07).

CHEGA PRA LÁ

O fato aconteceu, segundo o próprio Nascimento, por conta de proposta do prefeito de criar mais 400 vagas no serviço de mototáxi, além das 435 já existentes. O presidente do Sindimoto, que considera tal cogitação um acinte, simplesmente explodiu.

FALTA DE INTELIGÊNCIA

O bloqueio do acesso à Marabá Pioneira pela via do bambuzal no último sábado (01/08), revelou, para alguns, falta de racionalidade da construtora responsável pela obra de duplicação da Transamazônica. A criação de um desvio no local teria livrado condutores de tamanho transtorno.

PENA DA MARIA

Marmanjo desaforado foi visto na tarde do último domingo (02/08), em Marabá, tocando uma mulher a socos e pontapés pelas ladeiras da Avenida Itacaiúnas, no núcleo Cidade Nova. Como o ditado ensina que “em briga de marido e mulher não se mete a colher”, os moradores da rua se limitaram a ficar assistindo, de longe, a cena vergonhosa.

MARIA DA PENHA

Ao que tudo indica, o indivíduo não sabe que a Lei 11.340, a popular Maria da Penha, é rigorosa com quem pratica agressão contra a mulher e, em Marabá, a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) não tem refrescado com maridos metidos a valentões.

FALTOU INTELIGÊNCIA

O bloqueio do acesso à Marabá Pioneira pela via do bambuzal no último sábado (01/08), revelou, para alguns, falta de racionalidade da construtora responsável pela obra de duplicação da Transamazônica. A criação de um desvio no local teria livrado condutores de tamanho transtorno.

PENA DA MARIA

Marmanjo desaforado foi visto na tarde do último domingo (02/08), em Marabá, tocando uma mulher a socos e pontapés pelas ladeiras da Avenida Itacaiúnas, no núcleo Cidade Nova. Como o ditado ensina que “em briga de marido e mulher não se mete a colher”, os moradores da rua se limitaram a ficar assistindo, de longe, a cena vergonhosa.

MARIA DA PENHA

Ao que parece, o indivíduo não sabe que a Lei 11.340, a popular Maria da Penha, é rigorosa com quem pratica agressão contra a mulher e, em Marabá, a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) não tem refrescado com maridos metidos a valentões.

RINDO POR ÚLTIMO

Quem deve estar se divertindo com todo esse imbróglio envolvendo o senador José Sarney é o governador cassado do Maranhão Jackson Lago. Ele foi adversário de Roseana Sarney nas últimas eleições e hoje está fora do poder, vencido pelas investidas impiedosas de uma das mais poderosas famílias do seu estado. Durante a campanha, Roseana e Lago disputavam o apoio do presidente Lula, que acabou pendendo para o lado dos Sarney. Na época, as pesquisas apontavam Roseana com ligeira vantagem sobre seu adversário, mas, nas urnas, Jackson Lago saiu vitorioso. Durante o tempo em que ficou no poder, não teve descanso recorrendo de processos eleitorais que culminaram com a sua cassação.

AÇOUGUEIRO VALENTÃO

Homens da Divisão de Vigilância Sanitária (Divisa) em Marabá estão tremendo nas bases para um açougueiro metido a valentão no bairro Liberdade. O camarada vende carne em uma bicicleta totalmente fora do padrão das recomendações sanitárias e, segundo consta, não aceita repreensão de quem quer que seja.

NA FACA

Abordado sobre o assunto, o titular da Divisa, engenheiro sanitarista Rubens Chaves, disse que o homem já foi notificado várias vezes, mas nunca assinou os termos de notificação. “Ele tem fama de brabo. Se bobear, puxa a faca”, alerta o chefe da Divisão de Vigilância Sanitária.

FEIRINHA

Enquanto o prefeito Maurino Magalhães fala em criar mais um novo espaço para colocar os camelôs da Avenida Getúlio Vargas, na Marabá Pioneira, a área da chamada Feirinha, na entrada daquele núcleo, permanece ociosa, simplesmente porque nenhum feirante aceita ir para lá.

FIM DAS OLARIAS

Até 31 de outubro. Este é o prazo para o fim das olarias dentro do perímetro urbano de Marabá. A partir desta data, ninguém mais poderá explorar a atividade, conforme determinação do Ministério Público Estadual. Tem gente duvidando que a imposição seja efetivamente cumprida. Mas o MPE adverte: após o prazo, quem ousar desafiar a ordem será responsabilizado civil, ambiental e criminalmente.

CASO ANTIGO

Desde os tempos de Sílvio Silva, coordenador de Meio Ambiente do governo Veloso, que se tenta por fim à exploração indiscriminada da atividade de oleiro em Marabá. Ele chegou a esboçar a criação de um projeto que previa substituir as olarias por viveiros para criação de peixes.

REVIVER

Em 2005, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), chegou a elaborar um projeto, denominado de Reviver, com o objetivo de revitalizar o rio Itacaiúnas. Mas a proposta nem saiu do papel, por falta de recursos.

OLARIAS NO DIM

Quando foi secretário de Indústria e Comércio, Paulo Lopes também tentou pôr termo ao problema. A ideia dele era levar os oleiros para o DIM (Distrito Industrial de Marabá). Como lá existe uma área baixa rica em argila, os oleiros poderiam utilizá-la sem maiores impactos ao meio ambiente. Paulo deixou a pasta e a ideia acabou ficando no esquecimento.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

ÍNDIOS SE RENDEM AOS APELOS DA MODERNIDADE


Aquela figura rústica, do índio que Cabral encontrou no Brasil, lá pelos idos de 1500, é uma realidade bem distante na aldeia Mãe Maria, dos índios gavião kyikatêjê e parkatêjê. Quem vai ao lugar pensando encontrar casas de sapé e nativos em vestimenta de pena, com arco, flecha e aljava a tiracolo, volta decepcionado. Surpreendentemente, os índios se rederam aos apelos da modernidade.
As ocas deram lugar a casas de alvenaria, com piso em lajota, cobertas com telha de barro, rebocadas e pintadas. O luar perdeu significado na vida dos mais velhos, já que à noite as conversas são jogadas fora na porta de casa sob o clarão de lâmpadas elétricas. A pescaria da boca da noite foi substituída por outro programa, de branco – ver novela na televisão.
Invariavelmente, cada residência encontra-se munida de uma antena parabólica, além de outras invenções destes tempos modernos: fogão a gás, geladeira, aparelho de DVD e celular.
Os rapazes usam tênis, jeans e cortes modernos no cabelo. Também trocaram os adornos feitos de sementes e pedaços de osso por jóias em ouro 18 quilates.
Na entrada da aldeia, um parquinho daqueles que se vê nas praças das cidades grandes, com escorregador, balanço e gangorra, denuncia o peso da cultura dos brancos na vida dos kyikatêjê.
Mais adiante, tratores estacionados em uma paragem asseguram ao visitante que agora a lavoura também segue novos padrões entre os índios.
Até nos nomes os Gavião estão sofrendo a influência dos brancos. O atleta mais famoso da comunidade parkatêjê tem nome de cientista. Chama-se Einstein Sompré Sena, um jovem maratonista que adquiriu musculatura para o atletismo participando de corrida com toras, um esporte genuinamente indígena. Einstein prepara-se para ser um representante dos parkatêjê nas Olimpíadas de Londres, em 2012.Comentando esse fenômeno de aculturação, Gersem Baniwa, coordenador geral do programa de educação indígena do MEC, presente na I Conferência Regional de Educação Escolar Indígena, realizada na aldeia Mãe Maria, considera que o envolvimento do índio com os meios tecnológicos é algo positivo. Baniwa, que é de uma tribo do Amazonas, refuta a ideia de aculturação. Para ele, o índio não perde suas raízes culturais ao se render aos apelos da modernidade. “Os povos indígenas têm o direito de aprender e adquirir tudo aquilo que de bom os brancos têm – tecnologia, ciência, conhecimento, tudo isso que facilita melhor a vida – sem necessidade de eles abdicarem de suas culturas, suas tradições”, pondera. “E esse povo aqui [os índios kyikatêjê] é um modelo disso. Eles usam tudo de mais moderno, mas ao mesmo tempo mantêm forte a cultura deles. Ou seja, com todo esse avanço tecnológico, estando inseridos no mundo moderno, eles continuam falando a língua, praticando a cultura, as tradições, demonstrando que é possível, sim, essa convivência multicultural, intercultural, de povos diferentes, com cultura e tradições diferentes, numa mesma sociedade”, concluiu.

SECRETARIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

A sede da Secretaria Municipal de Assuntos Comunitários, criada este mês pelo prefeito Maurino Magalhães, vai funcionar na Folha 32 da Nova Marabá, atrás da agência do Banco do Brasil.

CRISE

A Vale fechou o balancete do segundo trimestre deste ano com queda de 81,5% em seu lucro líquido em relação ao mesmo período do ano passado. O resultado caiu de R$ 7,906 bilhões em 2008 para R$ 1,466 este ano.

terça-feira, 28 de julho de 2009

VIA-CRÚCIS

É um verdadeiro martírio o que o marabaense enfrenta na volta da praia para casa nos finais de semana. Além de escassos, os ônibus quando aparecem estão com gente saindo pelo ladrão. Quem mais sofre são as crianças, muitas vezes pisoteadas por marmanjos cheios da canjebrina.

PROGRAMA DE ÍNDIO

Quem vai de carro próprio, também sofre por conta dos torturantes congestionamentos no final do dia. Definitivamente, a praia por aqui está longe de ser uma opção de descanso.

MARLY SARNEY EM SAMPA

Marly Sarney, esposa do senador José Sarney, ficou de viajar ontem (27) para São Paulo, para se submeter a uma cirurgia ortopédica no hospital Sírio-Libanês. Ela fraturou o osso do ombro direito em 4 lugares, ao cair na última quinta feira, em sua casa, em São Luís.

TRAGÉDIA

Mais um acidente grave na PA-150 envolvendo ônibus da empresa Açailândia. Foi na madrugada do último sábado (25/07), próximo à cidade de Tailândia. Desta vez, houve quatro vítimas fatais. Em novembro do ano passado, ônibus da mesma Açailândia caiu de uma ponte no rio Moju, município de Jacundá, deixando 9 mortos e 26 feridos.

ATÉ QUANDO?

O estado de precariedade da rodovia é, indiscutivelmente, a causa principal dos acidentes quase que diários na PA-150. Já não dá mais nem para contabilizar a quantidade de mortes. O pior é que entra ano e sai ano e ninguém faz absolutamente nada. Já está mais do que na hora dos condutores começarem a chutar o pau da barraca.

GRIPE SUÍNA

É uma pilhéria, considerando a situação de nosso sistema de saúde pública, a recomendação do Ministério da Saúde de que ninguém deve automedicar-se em face de suspeita da gripe suína, ou seja, que diante de qualquer sintoma, deve-se procurar o médico.

MORTE NA FILA

Obviamente que procurar o médico é o melhor caminho. Mas nas circunstâncias atuais, se todo brasileiro decidir seguir à risca essa recomendação, com tamanha escassez de médico na rede pública, vai ser tão grande o atropelo que vai morrer mais gente nas filas dos hospitais do que morreria em qualquer outra circunstância.

BARRAGEM

Rogério Paulo Höhn, membro do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), denuncia que agricultores da região a ser afetada com a construção da usina hidrelétrica de Marabá estão tendo suas propriedades invadidas por técnicos da Eletronorte, os quais estão entrando nas terras para fazer levantamentos sem a anuência dos donos.

PROJETO DE 5 BILHÕES

Denominada de Aproveitamento Hidrelétrico do Araguaia-Tocantins, a barragem é um projeto de R$ 5 bilhões e a obra deverá ser licitada ainda este ano. O lago vai atingir 9 municípios em três estados: Marabá, São João do Araguaia, Bom Jesus do Tocantins, Brejo Grande do Araguaia e Palestina, no Pará; Ananás, Esperantina e Araguatins, no Tocantins; e São Pedro da Água Branca, no Maranhão.

NADA A VER COM ISSO

No episódio que pode culminar com a renúncia de José Sarney (PMDB) da presidência do Senado, os senadores do Pará – Flexa Ribeiro (PSDB), José Nery (PSOL) e Mário Couto (PSDB) – podem bater no peito, empinar o nariz e dizer “eu não tenho nada a ver com isso”. Nenhum dos três votou no peemedebista.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

MIGUELITO NA LISTA SUJA

Tem gente contando os dias e as horas para o fim do recesso parlamentar em Marabá. Querem saber como o Legislativo vai se comportar com o fato de Miguel Gomes Filho, o Miguelito, estar na chamada “lista suja” do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). A lista é um cadastro de envolvidos em casos de trabalho escravo e Miguel está entre os elencados.

CAMELÓDROMO

A ideia do prefeito Maurino Magalhães de transformar a Avenida Getúlio Vargas, na Marabá Pioneira, em camelódromo já está dando o que falar. A queixa maior é de quem sempre foi contra a ocupação daquele espaço por vendedores ambulantes e já não via a hora de eles saírem de lá.

ESTORVO

Não é de hoje que lojistas da Getúlio Vargas e adjacências sentem-se incomodados com a presença dos camelôs. Para alguns, além de afetar a estética urbanística daquele centro comercial, os feirantes estorvam o trânsito, tanto de veículos como de pedestres, e ainda representam uma concorrência desleal.

EU, HEIN!

O ex-vereador Sebastião Ferreira Neto, o Ferreirinha, foi abordado esta quinta-feira (23) por um ativista do movimento pró-emancipação do Estado de Carajás que queria o seu apoio à causa, aqui em Marabá. Ferreirinha, que atualmente exerce a função de diretor do Centro de Integração Regional do governo do Estado na cidade, arrefeceu na hora.

FIEL ESCUDEIRO

Revelando-se um fiel escudeiro de Ana Júlia Carepa, Ferreirinha deu um chega pra lá no convite e não titubeou em dizer que abraçar a causa emancipacionista, sendo homem de confiança da governadora, seria deslavada traição.

MERENDA ESCOLAR

Considerando que foi uma empresa de São Paulo que venceu a licitação da merenda escolar em Marabá, já tem gente prevendo que teremos dissabor semelhante àquele enfrentado com a CMT Engenharia, isto é, o de vermos o recurso do convênio ser levado para bem longe do nosso município com a compra de material em outros estados.

SINDICOM

Paulo Lopes, o titular do Sindicom (Sindicato do Comércio de Marabá) já alertava para isso bem antes de se iniciar o processo licitatório. Em face dessa preocupação, ele chegou a sugerir que a licitação fosse feita de tal forma que amarrasse, no processo, a exigência de que a empresa vencedora priorizasse a aquisição de produtos do comércio local.

PREOCUPADA

A vereadora Irismar Sampaio, ao fazer uso da palavra durante a apresentação pela Vale do projeto Estação do Conhecimento, ontem, na Câmara Municipal, disse que uma de suas preocupações é que a ação morra quando Maurino Magalhães deixar o poder.

NA LATA

Refinado nas palavras, o representante da Vale respondeu de forma incisiva à vereadora, explicando que o projeto não é do prefeito Maurino, nem mesmo da mineradora, mas da comunidade.

ESTADO DO CARAJÁS

O município de Brejo Grande do Araguaia será palco de grande ato público em prol da criação do Estado do Carajás, na próxima quarta-feira (29). O evento é uma iniciativa do Comitê Carajás, entidade criada em 2008 com a finalidade de levantar a bandeira da emancipação.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

ARGH!

Depois do quebra-quebra na sede do Samu, servidores do órgão, segundo jornal local, teriam ameaçado um movimento de demissão em massa caso tivessem que trabalhar desprovidos de segurança. Para evitar um colapso no serviço, a administração municipal tratou de pedir socorro à Polícia Militar, que agora guarnece o local com dois PMs, 24 horas de plantão.

ERA SÓ O QUE FALTAVA

Imagine o que seria se todo trabalhador que se sente inseguro nesta cidade decidisse protestar cruzando os braços e exigindo a escolta de um policial para poder trabalhar. Estaríamos perdidos.

INUSITADO

Taxistas, mototaxistas, motorista de ônibus, bancários, frentistas de posto de gasolina e uma batelada de tantos outros profissionais iriam tirar folga por um bom tempo por aqui; ou a polícia teria que triplicar seu efetivo na cidade para guarnecer tanta gente.

CADÊ O TERRENO?

José Soares de Moura e Silva, que foi assessor de comunicação da prefeitura na gestão do prefeito Onias Ferreira Dias, quer saber o que foi feito de terreno que foi doado à época, à Associação de Imprensa de Marabá (Assim). A área, localizada no núcleo São Félix, deveria abrigar a sede campestre da entidade.

CANAÃ DOS CARAJÁS

Tem gente ansiosa em Canaã dos Carajás para saber como será o comportamento do vereadores nas primeiras sessões pós-recesso, por conta da denúncia no Ministério Público Federal contra o presidente da Casa, vereador Omilton Ricardo de Oliveira. O parlamentar foi alvo, recentemente, de diversas acusações, inclusive de estar envolvido com pedofilia.

ESTRANHO

Tem médico do Hospital Municipal de Marabá prescrevendo remédio sem assinar a receita. Está apondo apenas carimbo. Esta semana, quando certo paciente observou a incorreção e quis remendar, o doutor reagiu com um pronto “não precisa”.

VAI ENTENDER

E o doutor estava com a razão. Encafifado, o paciente saiu e entrou com a receita sem assinatura na primeira farmácia que encontrou, cético de que fosse atendido. Mas foi. Resta saber o que os conselhos de Medicina e Farmácia acham disso.

INVASÃO

Amanhã (24/07) é aniversário de dois anos da famosa “Invasão da Lucinha”, espólio de Manoel Sebastião de Barros. A área, hoje batizada de Bairro da Paz, encontra-se ocupada por mais de 2 mil famílias e já foi palco de inúmeros assassinatos.

LIMINAR

Em 3 de agosto, dez dias depois que ocorreu a ocupação, a juíza Maria Aldecy de Souza Pissolati expediu liminar de reintegração de posse, determinando que a área fosse desocupada. Hoje, 720 dias depois, a ordem judicial nunca foi cumprida.

COMISSÃO BRANDÃO

Frede Souza da Silveira, atual presidente da Comissão Brandão Pró-Emancipação do Estado do Carajás, deverá ficar à frente da entidade somente até 15 de setembro próximo, quando deverá haver eleição para escolha da nova diretoria.

terça-feira, 21 de julho de 2009

ALÔ, MINISTÉRIO PÚBLICO

É cada vez mais comum a presença de crianças na Praça São Francisco, em Marabá, envolvidas com a famigerada venda de DVDs piratas. Pior que o trabalho infantil, que não encontra amparo em lei, é o fato de estarem expostas à pornografia que grassa escancarada nas bancas dos vendilhões.

CADÊ O CONSELHO TUTELAR?

Como é do conhecimento de todos, os DVDs com filmes pornográficos, via de regra, vêm em encartes repletos de imagens não recomendadas a menores de 18 anos. Essas peças são manuseadas despudoradamente na praça por meninos de 10, 12, 14 anos, a olhos vistos, como se isso fosse praxe das mais irrepreensíveis.

MÃE JOANA

Com todas as letras, expor crianças à pornografia, da forma que vem acontecendo na Praça São Francisco, é exploração sexual da grossa. Ou as autoridades fazem alguma coisa, ou seremos obrigados a admitir que isso aqui virou a casa-da-mãe-joana.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

FOFOCA NO PEBA

Uma suposta notícia bombástica que deverá abalar os alicerces da política em Parauapebas está deixando muita gente em polvorosa naquela cidade. O assunto foi colocado no ar por um jornal local com o estampido de que a “bomba” poderá explodir a qualquer momento. Enquanto rola solto, o boato deve estar provocando a maior urticação na súcia de políticos-rabo-preso.

DESCUMPRIMENTO

Ontem (20) fez quatro meses que o prefeito Maurino Magalhães assinou, na presença do Ministério Público Estadual, acordo com moradores da antiga Vila Socó, se comprometendo dar a eles novas casas. Pelo prazo decorrido, a segunda cláusula do termo já foi descumprida.

TRÊS MESES

De acordo com a cláusula segunda do acordo, as casas deveriam ser “entregues dentro do prazo previsto de três meses, observando a destinação de áreas para a implantação de posto de saúde, escola e posto de policiamento”. Já se passaram 120 dias e a administração municipal sequer começou a construir as casas.

PREJUÍZO

Enquanto o tempo vai passando, os moradores remanejados da Vila Socó, atualmente morando em casas alugadas pela prefeitura, representam um ônus mensal para o município de 27,6 mil reais. São 92 famílias recebendo 300 reais todo mês. Depois de amanhã (23), deverá ser entregue a folha de cheque referente ao quinto repasse.

PRÉDIO DA CÂMARA

A obra de construção do novo prédio do Legislativo Municipal de Marabá já consumiu, somente este ano, a bagatela de R$ 1.350.319,58. Até que seja concluído, o prédio ainda vai demandar mais de um milhão de reais. O empreendimento está tirando o sono da presidente da Câmara, vereadora Júlia Rosa, que vai ter que inventar recursos para a obra não parar.

ADITIVO

De acordo com o contrato assinado com a empresa responsável pela execução do projeto, o custo inicial da obra era de R$ 3.797.673,93. Por conta de atraso no cronograma de execução dos serviços, a soma já sofreu reajuste de quase R$ 1 milhão, provocado pelo INCC (Índice Nacional de Correção da Construção Civil).

sexta-feira, 17 de julho de 2009

HAJA TEMPO!

O excesso de afazeres tem nos furtado o tempo necessário para atualizar o blog. Já se vão mais de dois meses desde a última postagem. Vamos tentar botar o trem nos trilhos novamente. Que os dias sejam mais longos!

EM SAMPA

Neste período de recesso parlamentar, alguns políticos estão aproveitando a folga para ficar bem longe de seus gabinetes. É o caso do vereador Ronaldo Batista Chaves, o Ronaldo Yara, de Marabá. Ele está em São Paulo, cuidando de assuntos relacionados com a vida pessoal.

SEFFER EM MARABÁ

Quem esteve em Marabá esta semana foi o ex-deputado estadual Luís Afonso Seffer. Ele passou discretamente pela cidade na última quarta-feira (15), na companhia de dois filhos. Aqui, aproveitou para manter contato com alguns amigos, jantou em um restaurante na orla do Tocantins, e seguiu viagem para São Félix do Xingu, onde possui uma fazenda.

GATO ESCALDADO

Seffer renunciou ao mandato em abril deste ano, quando era investigado pela CPI da Pedofilia, acusado de ter abusado sexualmente de uma menina de nove anos. Enquanto jantava em Marabá ele voltou a sustentar sua inocência no caso e disse que, doravante, política nunca mais.

EXTRAORDINÁRIAS

Esta semana vereadores de Marabá voltaram ao prédio do Legislativo para três sessões extraordinárias. Nos dias 13, 14 e 15 eles estiveram reunidos na sala da presidência da Câmara para votar 10 projetos do Executivo. Entre eles, a criação de uma secretaria que terá sua sede em Brasília (DF).

NÓS BUROCRÁTICOS

Com o nome de Secretaria Extraordinária de Representação do Governo Municipal em Brasília, a nova pasta nasce lastreada com a promessa de que será um instrumento de captação de recursos na capital federal e que será uma mão de Maurino em Brasília para “desfazer os nós burocráticos que emperram a liberação de recursos públicos ao município”.

E MAIS

Outros projetos do Executivo Municipal votados pela Câmara esta semana tratam sobre a criação da Guarda Municipal e das secretarias de Turismo, Esporte, Segurança Pública, reestruturação da Procuradoria Geral do Município, e instituição de Regionais Administrativas, espécie de subprefeituras que funcionarão em 5 distritos.

MARIANO ANTUNES

Parente de um dos detentos do Crama (Centro de Recuperação Agrícola Mariano Antunes) entrou em contato com a coluna para denunciar que depois da rebelião da última terça-feira (14), os presos estão comendo o pão que o diabo amassou nas garras dos agentes prisionais. Se antes a coisa estava preta, agora infernizou de vez.

CAIU

Francisco Arnilson não integra mais a equipe de Ana Júlia Carepa no Centro de Integração Regional (CIR), em Marabá. Morderam o seu calcanhar esta semana e ele foi exonerado do cargo de assessor de articulação regional, função que assumia desde setembro do ano passado.

CANETADA

Pessoa bastante aplicada, Arnilson literalmente arregaçava as mangas dentro do CIR, fazendo a articulação política em 12 municípios da região. Mesmo assim, não conseguiu escapar da canetada. Agora, ele vai se dedicar as suas empresas e ao xadrez, uma de suas paixões.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

MAURINO FERE LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

A Lei de Responsabilidade Fiscal foi criada com a finalidade de sanear a má gestão do dinheiro público. Seu papel tem sido o de exigir com rigor que cada centavo que sai dos cofres estatais seja aplicado com responsabilidade. Em Marabá, a administração municipal deixou de observar esses requisitos da lei, quando decidiu assumir o pagamento mensal de mais de R$ 27 mil, para custear despesas de aluguel com os moradores da Vila Socó.
Desde março, quando foi assinado o acordo entre a prefeitura e 97 famílias, já saíram dos cofres públicos mais de R$ 50 mil. O gasto revelou-se desnecessário, já que de lá para cá nada mudou. Os moradores da Vila Socó poderiam perfeitamente estar ainda em suas casas e o município livre do ônus.
Quando exigia a desocupação da Vila, no mês de março, o prefeito Maurino Magalhães apregoava pressa, porque, segundo ele, a duplicação da rodovia Transamazônica tinha que começar logo, sob pena de devolução do recurso empenhado para a obra. Alguns moradores chegaram a sugerir que a remoção fosse feita depois que as novas casas já estivessem prontas, mas a prefeitura insistiu que a saída tinha que ser imediata e sugeriu pagar aluguel às famílias pelo prazo de três meses, tempo necessário para a construção das moradias.
Passados mais de 50 dias, a construção das novas casas sequer foi iniciada e, devido ao rigor do inverno, as obras de duplicação da Transamazônica continuam sem previsão para começar.
Se a prefeitura levar ainda três meses para concluir as mais de 90 casas, ao final terá gasto com o aluguel das famílias algo em torno de R$ 135 mil. O dinheiro daria para pagar o salário de 50 garis pelo prazo de seis meses.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

A praça, o santo e os ladrões

Vista num cartão postal, a Praça São Francisco, em Marabá, provoca um certo sentimento de nostalgia. E, de fato, aquele logradouro já se tornou elemento inalienável da vida do marabaense, especialmente dos que residem no núcleo Cidade Nova. De domingo a domingo, a praça se tornou ponto de encontro de pessoas de todas as idades, muitas das quais procuram seus barzinhos para um bate-papo no final do dia. A aglomeração se intensifica depois das nove da noite, porque é para lá que vão famílias inteiras depois da missa ou depois do culto.
Mas a Praça São Francisco está perdendo significado na vida de muitas pessoas. O motivo? Muito simples: a praça há muito tempo está despida de segurança. Ao que parece, o local que atrai tanta gente não encanta muito os homens de farda.
Sem ninguém para intimidá-los, os bandidos estão fazendo a farra. As principais vítimas são condutores de veículos ou mocinhas desacompanhadas. Estas são espreitadas na volta para casa e sucumbem indefesas nas garras dos larápios que, geralmente em número de dois ou mais, arrebatam de suas vítimas aparelhos celulares, bolsas e outros acessórios.
Já os donos de veículos são pressionados na chegada e na saída por menores e marmanjos que se posicionam nos estacionamentos oferecendo os serviços de uma certa “vigilância”, que, que eu saiba, não guarda coisa nenhuma. Sim, porque até hoje nunca ouvi falar que um desses guardadores de carro tenha evitado um furto ou que tenha se embolado com o ladrão pelo chão para evitar que o elemento botasse a mão no veículo do qual ele, ao preço de uma gorjeta, se constituiu fiel depositário.
Na verdade, na Praça São Francisco, o número de furtos de veículos nos estacionamentos, especialmente motocicletas, aumenta na mesma proporção em que cresce a quantidade de guardadores de carro.
O condutor mais precavido que vá à praça a pé e deixe a moto em casa. Ou então que procure ficar bem próximo de seu veículo, e curta seu passeio do jeito que versa o ditado: com um olho no padre e outro na missa.
E, por falar em padre, a praça fica defronte à igreja do santo que lhe emprestou o nome. É, mas ao que parece nem o santo os bandidos respeitam mais. São Francisco que se cuide ou, qualquer dia desses, vai procurar e não vai achar o cordão.

segunda-feira, 2 de março de 2009

CHEIRO DE FUMAÇA NO AR

Algumas do governo Maurino estão dando o que falar: quando o natural das coisas é o político sair da campanha eleitoral mergulhado em dívidas, no caso do prefeito de Marabá, ao que parece, a eleição o deixou foi nadando em dinheiro

DEZESSEIS MIL PRA CÁ

Segundo fonte fidedigna, ele ainda nem tinha completado um mês de mandato e pagou, sem criar nenhum embargo, uma dívida antiga de 16 mil reais.

VINTE E CINCO MIL PRA LÁ

Depois que assumiu a prefeitura, ele comprou também a empresa de comunicação Publicidades Paraíso, pelo valor de R$ 25 mil, segundo uma outra fonte.

O ANTES

A última do novelo, é a elevação exorbitante no valor da folha de pagamento da prefeitura. Em dezembro do ano passado, conforme dados da Secrataria Municipal de Administração (Semad), o valor da folha era de R$ 8.115.300,00, assim distribuídos: Concursados – R$ 5.690.000,00
Contratados – R$ 1.990.000,00
Comissionados – R$ 363.300,00
Efetivos municipalizados – R$ 70.000,00

E O DEPOIS

Em fevereiro, o valor da folha sofreu uma elevação superior a 40%. Saltou para nada mais nada menos que R$ 11.443.442,46, conforme dados da Secretaria de Comunicação.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

ÍRIS REZENDE ASSESSOR DE MAURINO

O prefeito de Marabá, Maurino Magalhães, tem como assessor nada menos que o ex-governador de Goiás Íris Rezende. Não é brincadeira, não. A informação é da própria Assessoria de Comunicação da Prefeitura.

PROMESSA

Segundo release da Ascom, “na sua última visita a Goiânia, ainda em novembro do ano passado, logo após o resultado da eleição, Maurino Magalhães esteve com o prefeito Iris Rezende (PMDB), que prometeu assessora-lo na administração local”.

PROVA DOS NOVE

O político goiano, ainda segundo a Ascom, estaria cumprindo à risca o compromisso firmado, através do envio de profissionais a Marabá. O primeiro deles teria chegado à cidade no dia 18 de fevereiro, um tal de Thiago Camargo Lopes. “Ele veio com a promessa de reestruturar a Semma – Secretaria Municipal de Meio Ambiente”, informa trecho do release da Ascom.

SURPRESA

Quase caí de costas um dia desses ao ser informado que Maurino nasceu em Bom Jesus do Tocantins, cidade paraense, distante 70 quilômetros de Marabá. Até então, eu era capaz de jurar que Maurino era tocantinense ou goiano de nascimento, dada a grande valorização que seu governo dá aos profissionais daqueles estados.

DÍVIDA

Nada contra aqueles nossos irmãos que habitam do outro lado do Araguaia. Mas quando se despreza os de casa para dar emprego aos de fora, de duas uma: ou Maurino acha que em Marabá não tem gente competente, ou existe alguma dívida dele com goianos e tocantinenses que nós ainda desconhecemos.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

TOCANTINS EM ALTA

O Rio Tocantins está subindo a todo vapor. Hoje (18/02) a régua fluviométrica registrava 7,64 e deve ultrapassar os oito metros até sábado. Quando atingir 10 metros, o rio começa a desabrigar.

ELEIÇÃO DO CISAT

Acontece na tarde desta quinta-feira em Marabá, no salão de festas do buffet O Casarão, na VP-8 da Nova Marabá, a eleição da nova diretoria do Cisat.

MAIS COTADOS

Entre os mais cotados para presidir o Consórcio estão os prefeitos Itamar Cardoso, de Goianésia, e Sidney Moreira, de Bom Jesus.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

FALTOU ÁGUA? A CULPA É DA CELPA

É irônico, mas é verdade – em Marabá, a culpa pela falta d’água é da Celpa e não da Cosanpa. É o que sustenta Frederico Mendes, à frente da Companhia de Saneamento em Marabá desde 1º de dezembro.

A BANANA COMEU O MACACO

De acordo com Frederico, na maioria das vezes que falta água, o problema é ocasionado por falta de energia. Uma queda de 10 minutos, ainda segundo ele, pode deixar as torneiras sem o líquido precioso por até 4 horas.

BALAIO DE GATOS

Um fato estranho chamou a atenção do pôster esta semana. No DMTU, existe uma lista enorme afixada no mural, com nome de pessoas que o órgão não conseguiu fazer a notificação de multa, por desconhecimento do endereço. O curioso é que um desses nomes é o do jornalista Patrick Roberto, do jornal Correio do Tocantins. Quem pode explicar essa?

ACIDENTES DE TRÂNSITO

Por falar em DMTU, o órgão divulgou esta semana o relatório com as estatísticas de acidente de trânsito em 2008.

DADO FUNESTO

Como era de se esperar, aumentou o índice de acidentes e também a quantidade de casos de vítimas fatais, em relação a 2007.

NÚMEROS

De acordo com o relatório, houve ano passado 740 acidentes, contra 701 do ano anterior, e morreram no trânsito, em 2008, 94 pessoas, 6 a mais que o registrado em 2007.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

POLICIAIS PRESOS

Informação quentinha dá conta de que numa operação da Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO) a polícia acaba de prender mais de 15 policiais militares em Jacundá e outras cidades da região acusados de envolvimento com tráfico de drogas.

ABSURDOS DO SALÁRIO MÍNIMO

Todos os anos é a mesma coisa. Sempre que o governo anuncia o reajuste do salário mínimo me dá coceiras nos ouvidos. Isso mesmo, coceiras. Ou seria cócegas? Acho que as duas coisas: vontade de rir e de ficar irritado!

PIADA

Também não é pra menos. Pensar que num País em que tanto se fala em acabar com a fome seja possível admitir vida digna com um salário de míseros 465 reais, é de deixar qualquer um de estômago embrulhado.

MILAGRE

O pior é que o mínimo, no âmbito do princípio constitucional, deveria ser suficiente para atender as necessidades do trabalhador e sua família com relação à moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social.

MALABARISMO

No Brasil, pelo menos 13,9 milhões de brasileiros fazem malabarismo para sobreviver com essa mixaria. Isso, considerando apenas os aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

DUZENTOS E DEZ PRA GASTAR

Se o assalariado utilizar o seu mínimo para comprar os itens da Cesta Básica Nacional, ou seja, 6 quilos de carne, 7,5 litros de leite, 4,5 quilos de feijão, 3 quilos de arroz (é isso mesmo), 1,5 quilos de farinha, 6 quilos de batata, 9 quilos de tomate, 600 gramas de café em pó, 90 bananas, 3 quilos de açúcar, 750 gramas de óleo e 750 gramas de manteiga, vai lhe sobrar cerca de R$ 210,00.

PILHÉRIA

É uma pilhéria achar que com essa ninharia que sobra depois dos gastos com a cesta básica seja possível investir nas demais necessidades do trabalhador e sua família com relação à moradia, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social.

TRÊS NOTAS DE 10

Com 210 reais, se o miserável cair no infortúnio de ficar doente, o dinheiro dá pra pagar a consulta e ainda lhe sobram 3 notas de 10, para ele gastar com moradia, educação, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social.

O QUE FAZER COM OS R$ 30

Esses R$ 30 não vão dar pra nada mesmo, então, se o indivíduo morar de aluguel, é aconselhável que dê o trocado como adiantamento ao locador. Ah, e o remédio? O fulano pagou R$ 180,00 na consulta e não vai comprar o remédio? Bom, o remédio nesse caso não vai dar pra comprar, então pra consulta não ficar perdida, vale fazer um chá da receita e tomar três vezes ao dia. Pode até não sarar, mas vai ajudar a encher a barriga.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

HENNEMANN DEIXA MARABÁ

Omar Hennemann não é mais secretário em Marabá. O camarada que Maurino trouxe lá das bandas do Tocantins para assumir a Secretaria de Gestão Fazendária já está de malas prontas. Vai cantar noutra freguesia, para alívio de alguns que já não o suportavam por aqui. Está indo para Brasília, trabalhar no Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

METEORO

Foi meteórica a passagem de Hennemann pelo governo – pouco mais de 20 dias. Mas o suficiente para mostrar que não tinha perfil para estar no cargo. No seu temperamento hostil ao tratar quem o procurava em seu gabinete, Hennemann revelou-se despreparado para lidar com gente em um cargo público.

RURAL

Por ironia do destino, o secretário vai para um órgão de “aprendizagem rural”. Pois, é. Para quem não está preparado para lidar com gente não poderia existir lugar mais apropriado.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

MAURINO E A IMPRENSA

Maurino vai oferecer um coquetel para profissionais da imprensa na próxima terça-feira (13/01), no Itacaiúnas Hotel. É aquela velha e conhecida estratégia bajulatória, comumente adotada por políticos nada bestas, no afã de conquistar a simpatia dos veículos formadores de opinião. Na ocasião, ele vai divulgar a nova logomarca e o novo slogan da administração municipal pelos próximos quatro anos.

VOCÊ NÃO VAI ACREDITAR

Um fato curioso está apimentando discussões na internet. Quando se imposta a palavra "mentiroso" no espaço de busca do Google, advinha o que aparece? Logo como primeira opção aparece o link do site da Wikipédia que leva direto à biografia do Presidente Lula. Isso mesmo, você imposta "mentiroso" e a ferramenta de busca vai encontrar o nosso presidente. Será que é por ser político? Deviam lincar a palavra ao nome de muitas outras raposas velhas por aí...
Mais em: www.megbarros.blogspot.com

INÉRCIA

Os próximos dias serão de poucas atividades nas prefeituras de milhares municípios espalhados pelo país. As estatísticas revelam que, via de regra, pouca coisa acontece nos primeiros meses de mandato da maioria dos prefeitos, principalmente daqueles que faziam parte da ala de oposição. Alguns passam anos na inércia, sob o argumento de que estão colocando a casa em ordem.

PRIMEIRA AÇÃO DE MAURINO

Em Marabá, o prefeito Maurino Magalhães disse que com ele será diferente. Não vai dar pausa nas ações da prefeitura. E já está dando provas. Mandou apagar com tinta preta as placas colocadas ao pé das obras de seu antecessor, Tião Miranda. Uma delas pode ser vista nas proximidades da Escola Anísio Teixeira. Pelo visto, já começou gastando mal o nosso minguado dinheirinho.

DA BOCA PRA FORA

A quebra da primeira promessa de campanha de Maurino aconteceu já no dia da posse dele. Nomeou a esposa para a Secretaria de Assistência Social da Prefeitura (Seasp). Todo mundo é testemunha de que ele havia prometido que só iria nomear secretário com formação técnica. Agora tá provado que era só blábláblá.

ESPECIAL

Jornal Opinião circula nesta terça-feira (06/01) com caderno especial sobre a posse dos novos prefeitos em todo o sul e sudeste do Pará.

ENCHENTE

Também nesta terça, às 9 da manhã, acontece reunião com autoridades no auditório da 23ª Brigada de Infantaria de Selva para discutir sobre a elevação das águas do rio Tocantins.

ACELERADO

O rio está subindo de forma acelerada e a situação preocupa a Defesa Civil. A régua fluviométrica está medindo quase seis metros. No mesmo período do ano passado, o nível das águas não havia chegado a quatro metros.

BATATA QUENTE

A enchente será o primeiro desafio do governo Maurino. Depois de quase um século de transtorno, a prefeitura nunca se preocupou em preparar uma estrutura para alojar os desabrigados. Todo ano, é o mesmo deus-nos-acuda.

Arquivo do blog