Foto: Tuerê



Ocorreu um erro neste gadget

NOTAS SOBRE:


"A maior necessidade do mundo é a de homens; homens que não se comprem nem se vendam; homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao polo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus" - Ellen G. White.



domingo, 16 de junho de 2013

MAURINO DECLARADO INELEGÍVEL

O ex-prefeito de Marabá, Maurino Magalhães de Lima, não poderá candidatar-se a nenhum cargo público pelos próximos oito anos. Ele está inelegível por determinação da Justiça Eleitoral.

Eis o teor da matéria sobre o assunto, publicada no Diário do Pará.

"Se o ex-prefeito de Marabá, Maurino Magalhães, tinha alguma intenção de voltar à vida pública, ele pode esquecer, ao menos pelos próximos oito anos. Maurino foi condenado pela juíza Danielle Karen da Silveira Araújo Leite, da 23ª Zona Eleitoral, e não poderá se candidatar a cargo eletivo pelos próximos oito anos. A sentença foi publicada ontem. A decisão foi em primeira instância, por isso Maurino ainda pode recorrer. 

Alvo de tantas acusações, Maurino acabou condenado por ter concedido aumento salarial aos servidores da Educação, o que à primeira vista seria algo legal. O problema é que o reajuste de 10% foi dado apenas para a Educação e fora do prazo de 180 dias antes da eleição de 2012, como prevê a lei eleitoral. Desse modo, para a Justiça, “caracterizou-se de abuso de poder político a fim de obter vantagem nas eleições municipais”.
A juíza Danielle Karen observa que, além do aumento ter sido dado fora do prazo, os outros trabalhadores municipais não tiveram o mesmo tratamento, mas somente 2.139 servidores gratificados. Ela reafirma: “Ao meu olhar, configura-se inegável abuso de poder de autoridade, influindo decisivamente na legalidade e legitimidade do pleito eleitoral”.
A magistrada diz que não discute a legalidade ou justiça da medida, mas a oportunidade em que adotada, o que, para ela, representa uso de ato administrativo para fins de beneficiar sua própria candidatura, por isso, “o ato, que em princípio seria legal, deixou de sê-lo, pois não visou beneficiar a população, mas sim obter efeitos eleitorais”.
“No caso dos autos, o aumento e as outras benesses concedidas aos servidores talvez fossem realmente justas, mas a pergunta que se apresenta é por que deixar para concedê-los em momento tão próximo à eleição?”, questiona a juíza.
A decisão de Danielle Karen atingiu também a então candidata a vice na chapa de Maurino Magalhães no pleito de 2012, Edna Lusia de Souza Costa. Além disso, a juíza determinou a cassação do registro de candidatura de Maurino e de Edna. Ou seja, mesmo que Maurino tivesse sido reeleito – o que andou longe de acontecer – ele provavelmente também seria cassado.
A reportagem tentou, mas não conseguiu contato com o ex-prefeito de Marabá".

Nenhum comentário: