Foto: Tuerê



Ocorreu um erro neste gadget

NOTAS SOBRE:


"A maior necessidade do mundo é a de homens; homens que não se comprem nem se vendam; homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao polo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus" - Ellen G. White.



segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

AS DÍVIDAS DO MAURINO

Hoje, 31 de dezembro, é o último dia do governo Maurino Magalhães. Alguns dirão, "graças a Deus". Nos próximos dias, ele começa uma nova etapa em sua vida - talvez uma espinhosa caminhada rumo ao ostracismo.
Ao longo de quatro anos, Maurino alimentou o noticiário local com trapalhadas de todo o tipo. E vai entrar para a história como o mais fracassado (isso para não dizer pior) prefeito que Marabá já teve em cem anos de emancipação político-administrativa.
Todo homem público costuma deixar uma impressão. A que Maurino deixa talvez seja a de mal pagador (pra não dizer caloteiro). Ao longo de seu mandato, atou uma série de compromissos e, no final, deixou de honrá-los, não fazendo o devido pagamento a prestadores e fornecedores. Foi assim com a empresa EB Alimentos (terceirizada da merenda escolar), que hoje briga na justiça para receber a bagatela de R$ 11,5 milhões; foi assim com a Leão Ambiental (terceirizada do lixo), que também alega atraso milionário dos repasses devidos; e foi assim com inúmeros outros contratados, basta ver que na semana passada dezenas de empresários que se dizem lesados chegaram a fazer protesto no centro administrativo, conforme noticiou o Correio do Tocantins.
Para quem acha que tal situação foi apenas uma fase de descontrole do governo, o blog deixa aqui uma última informação, nestas últimas horas que ainda restam ao Maurino como inquilino da prefeitura:

PASMEM!

Passados quatro anos, Maurino não pagou até hoje o serviço de confecção do quadro que ostenta a sua foto oficial - com faixa e tudo - e ainda permanece pendurado na parede de tudo que é repartição da administração municipal.
Segundo o empresário que executou o serviço, as fotos com o emolduramento custaram à época, ou seja, em 2009, R$ 12 mil. Até hoje, ele não viu a cor desse dinheiro.

Como diria Ademar Rafael -  é de lascar! 

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

PSOLISTA CONTRATACA

Rebatendo o comentário do professor Aurismar Queiroz, sobre a nota do PSOL que oficializa a posição do partido, de oposição ao governo João Salame, o sociólogo e também professor Ribamar Ribeiro Jr. decide soltar o verbo. Retificando a decisão tomada, Riba ressalta que a medida foi aprovada por unanimidade em plenária que contou com integrantes de todas as correntes do PSOL. Acrescenta ainda que é isolada a posição do professor Aurismar, o qual se intitula psolista, mas, segundo o sociólogo, nem filiado ao  partido ele é.

Eis o que diz Ribamar:




NÃO HÁ INCOERÊNCIA NO POSICIONAMENTO DO PARTIDO

Prezado Laécio,

Tenho um grande respeito por você e pelo seu trabalho, porém é necessário que algumas coisas fique clara com relação a nota do PSOL.

1- Foi aprovada por UNANIMIDADE em Plenária do partido onde tinha representantes de todas as correntes do partido;
2- Não há incoérência o posicionamento que o partido continuará tomando, a partir de 1º de janeiro com o Governo do Salame, o programa do PSOL não coaduna com o programa de coalizão do João (PT, PPS E PMDB);
3- Que o apoio dado por João ao Edmilson, foi questionado pela base do PSOL e de forma alguma não foi bem aceito pela militância do PSOL que não aceita apoios de liderança ligadas a o atual modelo de desenvolviento da Amazônia.

Portanto, o PSOL continuará firme, se posicionando e se apresentando à sociedade como uma alternativa. 


QUEM NÃO CONCORDAR QUE SAIA DO PT

O PSOL é oposição!

A decisão é baseada no programa partidário. A posição do autor da nota acima, é pessoal e aliás nem filiado ele é.

E quem não concorda deve ir par ao PT. 
   

SALAME DÁ LAMBADA NO POSICIONAMENTO DE ALGUNS PSOLISTAS

Uma das coisas que admiro no jornalista João Salame, é a capacidade que ele tem de responder a provocações com categoria, sem descer o nível nem perder a compostura, usando as palavras certas, no vocabulário e na medida mais adequados.
Foi assim, ao responder a nota divulgada pela executiva municipal do Psol, dando conta de que o partido fará oposição ao seu governo.
Vale lembrar, que o tal documento não representa o posicionamento de todos os integrantes da legenda em Marabá e é, no mínimo, contraditório, quando propõe o enfrentamento a uma personalidade política que manifestou recentemente, e de forma pública, apoio à candidatura de Edimilson Rodrigues, um dos mais expoentes nomes do Psol em todo o Estado.

Abaixo, a nota psolista, extraída do blog do Ribamar Ribeiro Jr., e a resposta de Salame, colhida no Terra do Nunca de Chagas Filho:

Carta do PSOL à sociedade marabaense.

1- A vitória de João Salame (PPS) pela coligação composta pelo PT, PMDB, PDT, PHS, PV, não representa a mudança de verdade tão propalada no período eleitoral. Consideramos o mero continuísmo arragaido pela forte participação de representantes das velhas oligarquias, de partidos mensaleiros e de lideranças que se omitiram nos últimos quatro anos no desastroso governo Maurino Magalhães (PR).
2- Portanto, o PSOL mesmo sem representação na Câmara Municipal de Marabá, será um partido vigilante, de oposição ao Governo do PPS/PT e PMDB, por considerarmos que o Governo de João Salame representará de fato o continuísmo das práticas autoritárias com base na sua composição que está sendo realizada numa coalizão que atende os interesses dos políticos que se perpetuam no poder em Marabá.
3- O PSOL defende a ruptura do contrato da empresa Leão Ambiental e a prefeitura no valor anual de R$ 21.851.580,00 milhões com uma média de pagamentos por mês de R$ 1.820.965,00.
4- Defendemos ainda as famílias que trabalham na produção de cerâmicas na folha 33 ameaçadas de despejo pelo empresário Zucatelli atual presidente do DEM;
5- Por isso, o PSOL expressa sua posição em relação ao governo de João Salame, Consideramos decisiva a construção de uma frente de ação, política e social, que busque articular para a luta os movimentos e as forças sociais do campo e da cidade por uma cidade sustentável.

Diretório Municipal do PSOL

Marabá, 1 de Dezembro de 2012


Salame diz que provará que o PSOL está errado
Em resposta João Salame diz que respeita a posição do PSOL, pois o Brasil é um País democrático e o PSOL é uma legenda organizada à sombra da lei. “Como tal, tem todo direito de manifestar a sua posição”, ratifica João Salame.
Todavia, o prefeito eleito considera uma “pena” o fato de o PSOL não ter paciência com ele, que nem assumiu a prefeitura ainda, e, mesmo assim, já assumiu uma postura de enfrentamento.
Mas Salame observa que o resultado o PSOL na última eleição majoritária em Marabá, ficando em último lugar, perdendo até mesmo para César do Comércio, um candidato que se lançou na última hora e que estava numa legenda de menor expressão, “demonstra que a sociedade vê com reticência esse radicalismo exacerbado”.“Cabe a mim, como prefeito eleito, mostrar que o PSOL está errado e fazer um trabalho que contemple os interesses da ampla maioria da população de Marabá, que é o que eu vou fazer”, garante Salame.

NEM TODO O PSOL É OPOSIÇÃO

Apesar da nota do Psol representar a posição oficial do partido, nem todos os filiados concordam com o posicionamento defendido por ela. É o caso do professor Aurismar Queiroz que, em comentário sensato, publicado no Hiroshi Bogea On Line, não apenas se manifestou contrário ao teor do documento, como condenou o radicalismo exacerbado do que ele chama de "grupelho" que "não representa o partido no seu todo".

Leia, na íntegra, o comentário do professor dirigido ao Hiroshi:

Caro Hiroshi,
Respeito sua opinião porque, mesmo fazendo parte desse partido, sou obrigado a concordar com suas palavras. Esse grupelho que ai se encontra, não representa o partido no seu todo. O discurso apresentado por eles tem alguma coisa de demagogo, reunião da diretoria desse partido, da qual me afastei por discordar de certas ideias, mais parecem culto de pregação daquelas igrejas mais radicais do cristianismo. “Aquele que confessa e deixa alcançará misericórdia”, essa é a palavra de ordem para aqueles que não apoiaram um candidato a majoritária que troca “fundeb” por “fundef”, invés de “piso salarial” diz “teto salarial”. São pessoas que defendem apaixonadamente as decisões de cerceamento da imprensa como fez Hugo Chavez. Felizmente, há pessoas mais esclarecidas nesse meio que está lutando para reconstruir esse partido, ou melhor, construí-lo. O núcleo de educadores, que tem sua base no Sintepp, está lançando uma nova tendência dentro do partido, é a UDS – Unidade Socialista dos Trabalhadores. Queremos construir um socialismo ligado ao mundo real, não aquele que fica comprimido dentro de ideologias ultrapassadas, ou preso dentro dos muros das universidades federais. Se o prefeito eleito leu essa nota, deve ter passado a noite sem dormir preocupado com essa “oposição” que não consegue eleger um representante ao poder legislativo municipal. Como pode se opor a um governo que ainda nem começou? Se opor a algo que ainda não existe é burrice. Dessa burrice não compartilho.